Gran Sabana, Venezuela: Um roteiro sem CRISE

Todo mundo me perguntava como é o roteiro da Gran Sabana na Venezuela. Eu já tinha ido havia muitoooo tempo. Mesmo com a CRISE Venezuelana o turismo no país, principalmente na fronteira Brasil/Venezuela continua. E toda crise que acontece por lá atinge sim, a fronteira, mas a gente “só passa” por lá.

Para quem não sabe, Roraima faz fronteira com a Venezuela. As cidades gêmeas Pacaraima, é município de Roraima, do lado brasileiro e Santa Elena do Uiarén no Estado Bolivar na Venezuela, é porta de entrada de muitos que querem conhecer as Belezas do estado Bolivar, especificamente o Parque Nacional Canaima onde existem vários tepuy, como o Monumental Monte Roraima e o Salto Angel, a mais alta cachoeira do mundo. E nessa mesma região que é denominada Gran Sabana, existem várias cachoeiras e corredeiras espetaculares que podem ser desfrutadas por todos, no final semana saindo da capital Boa Vista/RR.

A região sul da Venezuela, que faz fronteira com o Brasil e chamada de Gran Sabana onde há uma grande concentração de tepuys em pemón nome que ser refere as montanhas em forma de mesa com inúmeras cachoeiras, abertas à visitação. Na região são cerca de 800 cachoeiras entre grandes e pequenas  e muitas de difícil acesso.

A Gran Sabana fica localizada dentro do Parque Nacional de Canaima. Dividida em dois setores. O lugar apresenta belezas naturais entre o oriental, onde predomina a densa floresta ainda intocada com a Lagoa de Canaima e o Salto Angel como atrações principais. Já no  ocidental,  a vegetação predominante é a savana, cujas atrações principais são o Monte Roraima e as inúmeras cachoeiras que vou apresentar pra vocês algumas delas.

A região do Parque Nacional Canaima está entre um dos 10 maiores do mundo em extensão – 30.000 km²,  e dois dias, é pouco para explorar toda região, mas que em pouco tempo você consegue desfrutar de muita beleza.

O passeio que fiz, fui convidada pela empresa Clube Native que é uma das pioneiras nesse passeio pela região.

Quando for visitar Roraima  e passar por Boa Vista, lembre-se de acrescentar esse passeio no seu roteiro de final de semana, com crise ou sem crise, esse roteiro ainda continua em alta. Mesmo nessa situação, você pode ter acesso a esse espetáculo que vou descrever agora.

Para quem não sabe, a região serviu de cenário para vários filmes. Como, Jurassic Park e Up Altas Aventuras e mais a novela Império, no Brasil.

O que preciso saber antes de ir?

  • Não precisa de passaporte ou visto/permisso para fazer o tour;
  • Não precisa de carteira de febre amarela para passar a fronteira (mas sugiro que leve);
  • Mesmo na crise venezuelana o passeio é seguro;
  • Contrate um agência credenciada pelo Ministério do Turismo no lado brasileiro;
  • O passeio passa por várias cachoeiras e corredeiras;
  • Leve muito repelente e protetor solar;
  • Sua roupa de baixo, toda hora será a de banho, vá com ela desde Boa Vista;
  • Não traga nada da natureza;
  • Não deixe lixo pelas trilhas e cachoeiras/corredeiras.

Valor do passeio?

R$ 160,00 por pessoa.

Convidada pela empresa Clube Native para fazer o passeio, antes recebemos todas as instruções do passeio e um cronograma do passeio.

O que inclui no valor do passeio?

Transporte (ônibus c/ ar condicionado) , ida e volta: Boa Vista/Pacaraima;

Transporte (4×4), idade e volta: Pacaraima/Santa Elena Uiarén;

Dentro dos carros 4×4 há caixas térmicas para guardar as bebidas. 

Guias;

Hospedagem: uma diária s/ pensão para 3 a 4 pessoas em unidade habitacional compartilhada;

Taxas das cachoeiras e corredeiras;

Duração? 

Um final de semana: Saída – Sábado de Boa Vista 5h;

Retorno – Domingo – 18h – chegada 20h.

Ponto e parada de encontro?

Em frente a empresa Clube Native e outro na Rotatória 2,90.

O que não inclui?

Qualquer tipo de bebida;

Qualquer tipo de refeição;

Qualquer custo extra.

 Como é o passeio? 

Vou começar a descreve minha experiência.

O passeio começa no ponto de encontro, em frente a Clube Native na cidade de Boa Vista/RR, ás 5h, com tolerância de 20min e saída às 5h30 pontualmente. A segunda parada é na rotatória 2,90 e seguimos de Boa Vista para Pacaraima/RR. São 210km de ônibus/microônibus com ar-condicionado, limpos, maleiros e poltrona reclinável.

Após quase duas horas de ônibus via BR-174 destino norte de Roraima rumo à Pacaraima,  fazemos uma parada no Km 100 no Quarto de Bode  para tomarmos café. Ao chegarmos em em Pacaraima às 7h30, fazemos a troca de veículo em frente a Rodoviária de Pacaraima  para o carro 4×4.

IMG_20180714_091654806
Troca de Veículo em Pacaraima. Foto: Jôviajou.

Após irmos ao banheiro, arrumar as mala, é feita a organização dos grupos por carros, conforme lista elaborada pela empresa.

A saída de Pacaraima rumo a Santa Elena Uiarén/VE, o próximo ponto de parada é às 8h.

IMG_20180714_093245994_HDR
Passando a fronteira. Alfândega Venezuelana. Foto: Jôviajou.

Após 15km chegarmos à Santa Elena de Uiarén para comprar as bebidas e fazer o câmbio. Nesse dia, o câmbio estava 150, por 1 real. Aquele bolo de dinheiro.

IMG_20180714_095944552_HDR
Câmbio no porta malas do carro mesmo. Até parece que a mochila é grande. Foto: Jôviajou.
IMG_20180714_101015243do
Todo mundo Rico? Valor de R$ 40,00 fica com esse bolo. Foto: Jôviajou.

Após compras, seguimos viagens, e ao longo do caminho vimos o reflexo da crise venezuelana, como muitas lojas e supermercado fechados e filas enormes nos postos de gasolinas para colocar gasolina.

IMG_20180714_102646616
Caminho para Gran Sabana em Santa Elena. Atualmente só se ver carros venezuelanos. Carros brasileiros são poucos. Foto: Jôviajou.

A gasolina para brasileiro está custando R$1,50 o litro, mas não tinha na fronteira. Para o venezuelano 1000 boliva o litro. Mesmo ficando na fila 24h para colocar gasolina, só podem colocar 20 litros de gasolina por carro. É um controle total.

IMG_20180714_103358911_HDR
Fila da gasolina. Foto: Jôviajou.

Seguindo viagem, começa a vista da espetacular vista da Gran Sabana Venezuelana.

IMG_20180714_110427647_HDR
Estrada Troncal 10. Gran Sabana. Foto: Jôviajou.

Primeiro ponto de parada foi a Cachoeira Água fria fica  próxima da famosa cachoeira de Jaspe, quem é de Boa Vista, sabe a distância mais ou menos.  A trilha para a cachoeira possui uma pequena descida com possibilidade de escorregões e um a paisagem deslumbrante da savana sul-americana de fundo. Nossa, como era gelada… o nome diz tudo. Passamos cerca de 40min lá. A descida é um pouco perigo e na volta a descida perigosa, torna-se um retorno cansativo de subidas para quem não acostumado.

O Segundo ponto de parada foi cachoeira Queda do Pacheco que possui dois acesso, o de cima e de baixo. Porém, nesse dia fomos pela parte de baixa. Possui uma pequena trilha de fácil acesso, mas sem perigo e não é muito ingrime.

Selfie na Corredeira do Pacheco. Foto: Jôviajou
Corredeira do Pacheco. Foto: Jôviajou
Queda do Pacheco. Foto: Vânia
Queda do Pacheco. Foto: Vânia

O almoço custa 1500 bolivar cerca de R$ 10,00 o prato que é servido com frango/carne, mais arroz, salada/maionese e feijão.

Comunidade San Francisco de Yuruani, porta de entrada para o Monte Roraima. Foto: João.
Local do Almoço em San Francisco do Yuruani. Foto: Jôviajou

Depois seguimos para o Mirante  Mirante de Yuruaní que fica da ponte de ferro sobre o Rio Yuruaní. É perfeito para apreciar a linda paisagem o Monte Roraima e o Kukenam, mesmo chovendo conseguimos visualizar.

Mirante para o Monte Roraima. Foto: Alguém do grupo. 🙂
Local que paramos para abastecer. Ponto final que podemos chegar sem permisso de entrada na Venezuela. Rápido de Kamoiram. Foto: Jôviajou
Rápido de Kamoiram. Foto: Vânia.
Rápido de Kamoiram. Foto: Jôviajou
Pousada em Yuruani. Foto: Jôviajou

Ficamos hospedados na Pousada em San Francisco de Yuruani.

Pousada em Yuruani. Foto: Jôviajou
Restaurante da Pousada, onde tomamos café em Yuruani. Foto: Jôviajou
Café no restaurante da Pousada em Yuruani. Foto: Jôviajou R$ 10,00.

Conhecemos as Corredeiras de Manakachi. Uma parada rápida para banho. 

Corredeiras de Manakachi. Foto: Jôviajou
Corredeiras de Manakachi. Foto: Jôviajou
Corredeiras de Manakachi. Foto: Jôviajou

O carro mais divertido do passeio e novas amizades. Foto: Jôviajou

Seguimos para o Salto Anaway . 

Panorâmica do Salto Anaway Foto: Jôviajou
Salto Anaway Foto: Jôviajou
Salto Anaway Foto: Jôviajou

Fomos para a Queda Kama Meru, uma das mais linda do Parque Nacional Canaima.

No meio do caminho muita aventura, um dos carros atolou. Foto: Jôviajou

Entrada da Queda Kama Meru. Foto: Jôviajou
Queda Kama Meru. Foto: Jôviajou
Queda Kama Meru. Foto: Jôviajou
Queda Kama Meru. Foto: Jôviajou
Queda Kama Meru. Foto: Jôviajou

Dicas: Leve um dinheiro extra para comprar os belos artesanatos em Yuruani. 

Artesanato em Yuruani. Foto: Jôviajou.
Artesanato em Yuruani. Foto: Jôviajou.
Retorno em Pacaraima, troca de veículos. Foto: Jôviajou.

Acredito que maior dúvida desse passeio é saber se é seguro. Sim gente, é seguro! Apesar de toda a CRISE venezuelana essa região sempre viveu e vive de turismo, a segunda economia, depois do garimpo.

Agradeço a parceria e convite da Clube Native. Se você quer fazer esse mesmo passeio e conhecer o Parque Nacional Canaima na Venezuela em um final de semana. É só entrar em contato com a equipe da Clube Native, Beto ou Nayra pelo telefone: (95) 98120-94-59 ou pelo instagram @clubenative.

 

Siga: @joviajou e curta fanpage: /joviajou

Esse post tem fins promocionais. 

(Visited 282 times, 2 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.