O que fazer em GALÁPAGOS-Equador ? Ilha Isabela-Muro de las Lágrimas-Parte 4

Continuando nosso tour na Ilha Isabela. No dia 26 fizemos o passeio o Muro de Las lágrimas. Comprei um cacho de banana por 1 dólar e seguimos para trilha.

Se eu não falei no post anterior, a hospedagem no Hostel/Pousada Neptuno foi 85,48 dólares dividido para 3 pessoas.

Vamos lá! A caminhada para o Muro de Las Lágrimas dura uma manhã toda, dependendo do seu ritmo. No caminho, passamos por belas praias com iguanas marinhas e ainda vimos algumas tartarugas gigantes na estrada. Este foi o único local da nossa passagem pelo arquipélago em que vimos as imensas tartarugas galapaguenhas na natureza. Também vimos uma porção de tentilhões, lagartinhos várias aves. A ilha isabela, é mais rica em fauna e flora.

No caminho até as ruínas, há várias pequenas trilhas pequenas que levam a praias isoladas, desertas, e a pequenas lagoas.

Além disso, um mirante quase no final da trilha permite uma visão privilegiada de Isabela.

Essa foto foto abaixo, mostra um pouco a infraestrutura da ilha.

Foto: Jô Viajou

No meio do caminho têm meios de hospedagens, restaurantes e muitas agências, mas como já disse, se puder reservar tudo com antecedência, fica ligado para não perder o passeio. Mas muita coisa você faz de graça.

Foto: Jô Viajou

Seguindo para para trilha…

Foto: Jô Viajou

Inicio da trilha

Foto: Jô Viajou

A trilha tem muitas placas, e nessa trilha, há vários porto que paramos e observamos a fauna e flora. Até o Muro de Las Lagrimas, são 5km de caminha numa manhã de sol em Isabela.

Foto: Jô Viajou

No meio do caminho, passamos pela beira do mar e temos essa vista.

Foto: Daniel

Paisagens lindas, que a própria natureza forma.

Foto: Daniel

Após a caminha, chegamos a essa placa, onde começa a caminha dentro da região.

Foto: Jô Viajou

As trilhas são bem identificadas  e sinalizadas. Algumas já estão um pouco apagadas, mas  pelo fluxo é bem visível. Você pode fazer a trilha a pé ou de bike.

Foto: Daniel

Em cada entrada de trilha uma surpresa atrás da outra.

Na Playa del Amor vimos muitas aves. Ficamos ali um pouco observando e curtindo o mar chocar-se contra as rochas. Bem ao lado está o Túnel del Estero, formação de lava vulcânica muito interessante.

Foto: Daniel

A fauna e a flora se misturam.

Foto: Jô Viajou

Elas estão por todo lado.

Foto: Jô Viajou

As trilhas são bem estruturadas.

Foto: Jô Viajou

Ah mangues e vegetações de várias especies.

Foto: Jô Viajou

Cada entrada de um atrativo é sinalizada dessa forma.

Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou

As informações de algumas placas já estão quase apagadas.

Foto: Daniel

A vegetação muda a cada estação.

Foto: Daniel
Foto: Jô Viajou

Aqui vou mostrar para vocês cada parte da trilha que registrei.

Foto: Jô Viajou
Foto: Daniel
Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou

Algumas horas da manhã o tempo ficou nublado, o que ajudou a trilha ser mais tranquila, devido ao forte sol que fez depois.

O Túnel do Estereo, inclui um caminho de 75m de comprimento e é adequado com placas de lava que terminam em escadas dentro de um túnel de lava. Acima do túnel, você pode ver a paisagem entremarés oferecida pela tapeçaria de Sesúvio de Galápagos, entre o túnel do Estéreo e a praia do amor.

Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou

Poza Redonda, é um caminho de 50 metros de comprimento, de placas de lava que levam a uma piscina formada dentro de um tubo de lava em colapso.

Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou

Ah locais para estacionamentos as bikes.

O Poza Escondida é um caminho de pedra e madeira, onde a atração principal é a floresta de mangue e no final há uma piscina.

Foto: Jô Viajou

Nas praias têm  vistas lindas. Ficamos ali um pouco observando  o mar e suas belezas. Bem ao lado está o Túnel del Estero, formação de lava vulcânica diferente.

Foto: Jô Viajou

Foto: Jô Viajou

As pontes são bem estruturadas. Ao longo da trilha, deve-se ter cuidado para não pisar em um desses, eles se confundem com a cor da terra em algumas trilhas.

Foto: Jô Viajou

Algumas frutas da região aparecem, mas não recomendado comer.

Foto: Jô Viajou

Os manguezais são presentes e possui uma paisagem de dar medo.

Foto: Jô Viajou

Algumas trilhas, faz-se necessário abaixar.

Foto: Jô Viajou

Os mangues de dar medo.

Foto: Jô Viajou

O nome da trilha é Camino de las Tortugas, paralelo ao mar. As tartarugas vivem livremente nessa parte da ilha e encontramos algumas delas se alimentando de arbustos ao longo do caminho. . As tartarugas gigantes é o símbolo de Galápagos. Elas se alimentam no meio do caminho e muitas ficam escondidas dentro da vegetação, que quem não tiver um olhar aguçado, pode até não vê-las.

Foto: Jô Viajou

Deixa eu tomar café, turista chata. 🙂

Foto: Jô Viajou

Já tá do meu lado? Não pode tocar em mim.

Foto: Jô Viajou

Vai lá olhar minha irmã tímida… escondida nas árvores…

Foto: Jô Viajou

O primeiro Mirador é o Cerro Orchilla, que subimos uma escadinha respeitada.

Cerro Orchilla, que é um mirante do qual você pode acessar através de uma escada, na vista você pode ver a baía e a população de Puerto Villamil, Vulcão Sierra Negra, Vulcão Cerro Azul, ilhotas, rochas. Esses lugares formam uma paisagem espetacular.

Foto: Jô Viajou

Vista do Mirador Cerro Orchilla, lugar que já olhamos de cima, o tanto que já caminhamos cujo ponto de observação proporcionou uma vista deslumbrante da costa sul de Isabela.

Foto: Jô Viajou

Lá a esquerda da foto, é a cede da Ilha Isabela.

Foto: Jô Viajou

E encontramos mais nas trilhas…

Foto: Jô Viajou

Depois caminhamos mais e chegamos na Trilha do Muro de las Lágrimas. 

Foram cerca de  4 horas de caminhada para quase 5km de trilha até chegarmos ao Muro.

A Muralha das Lágrimas (El Muro de las Lágrimas) tem um significado histórico para as Galápagos como o local de uma antiga colônia penal durante os anos 1940 e 1950.
Seu nome, Wall of Tears, foi apropriadamente dado devido às duras condições sob as quais os prisioneiros eram obrigados a construir a parede à mão.

A história conta que os prisioneiros foram obrigados a caminhar longas distâncias no calor do meio-dia para cortar lajes de rocha vulcânica e levá-las de volta ao local da parede.

Aqui as pedras vulcânicas foram empilhadas até 65 metros de altura (25 metros), aparentemente causando milhares de mortes durante a construção da parede.

Anos mais tarde, o local recebeu o nome de Muralha das Lágrimas dos habitantes da ilha, pois ouviam os altos gritos e choros dos prisioneiros quando eram forçados a construir as paredes de seu próprio confinamento.

A construção foi conservada como uma lembrança do sofrimento dos que foram forçados a erguê-lo em um momento triste da história do Equador.

Foto: Jô ViajouVista do Muro de Las Lágrimas.

Foto: Jô Viajou

Vista de cima do Muro de Las Lágrima. Posso dizer que esse é um lugar triste e de arrepiar. Uma energia pesada, que só quem sente essas coisas, sabe…

Foto: Jô Viajou

Essa foto ficou na vertical, mas pra perceber como foi feito o muro.

Foto: Jô Viajou

Sorriso de quem chegou ao Muro, cansada do sol.

Foto: Jô Viajou

Mas a trilha ainda não acabou. Após o muro ainda tem vários mirantes com paisagens igual da savana africana. A trilha acaba mas subindo para um morro que está próximo ao muro.  Esse é um dos primeiros pontos.

Foto: Jô Viajou

Após cerca de 30 minutos alcançamos o pico, que apresenta um mirante com uma linda do Puerto Villamil e de toda a porção sul da Ilha Isabela. São em média 500 metros morro acima onde está o Mirante do Radar, local usado pelas Forças Armadas dos EUA. Na época da colônia penal foi desmontado. Nesse ponto há uma vista muito bonita das ilhas e do oceano.

Foto: Jô Viajou

Vista do Mirante do Radar.

Foto: Jô Viajou
Foto: Jô Viajou

Mirante do Radar

Foto: Jô Viajou

No retorno a trilha, mais tartarugas…

Foto: Jô Viajou

A parte mais legal do passeio é que no meio do caminho passamos por várias praias e pequenas lagoas, chamadas de “pozas” ou “humedales”. Na trilha topamos com dezenas de iguanas marinhas e muitas tartarugas.

Foto: Jô Viajou

Depois voltamos para Puerto Villamil, não acessamos mais os caminhos laterais que há praias isoladas, piscinas naturais e túneis de lava, como fizemos na ida.

DICA DA VIAGEM NA TRILHA

Ponto de partida: Puerto Villamil, Isla Isabela / Ilhas Galápagos, Equador

Horário de partida: Sempre que sugiro no início do dia, parte da manhã com o sol mais ameno.

Duração: 18 quilômetros no total entrando em saindo dos caminho, juntando a ida e a volta; excursão de meio dia a dia inteiro, dependendo da disponibilidade de tempo e da caminhada ou pedalada.

Método de transporte: caminhada/ bicicleta

Incluído: Nada, traga muita água para hidratar, frutas e lanches. Boné, protetor solar e repelentes. 

Custo: US $ 5 / hora para aluguel de bicicletas; caminhar, de graça. 

Siga insta: @joviajou

  • Vai viajar? E precisa de SEGURO viagem? Clique aqui e ganhe desconto com a Jô Viajou.

  • Reserve sua HOSPEDAGEM com segurança.Clique aqui!

(Visited 37 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.