10 MOTIVOS para turistar na Raposa I/Maikan Pisi Pata’

Em 2005 a Terra Indígena Raposa Serra do Sol (TIRSS) foi demarcada e com isso não podíamos mais ter acesso a essas terras para fazer turismo sem autorização da  Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e Comunidades Indígenas.

Muitos não sabem, mas há a possibilidade de fazer turismo em terras indígenas desde que atenda as diretrizes da Instrução Normativa 003/2015, da FUNAI, que estabelece os procedimentos para a visitação turística em terras indígenas e que possibilita a comunidade desenvolver economicamente diversas atividades, não só o turismo, a partir de planos de visitação e de planos de negócios.

No Brasil, só há duas terras indígenas que têm a autorização do órgão para implementar as atividades de visitação na dimensão do turismo de base comunitária: a Terra Indígena Pequizal do Naruvôtu, dos índios Kalapao-MT e a Terra Indígena Menkragnoti, dos índios Kayapó-PA.

Atualmente a Comunidade Indígena Raposa I/Maikan Pisi Pata’, localizada no município de Normandia-RR distante 240km da capital Boa Vista-RR, pode ser a terceira no país e a primeira em Roraima a implantar o turismo de base comunitária (TBC) de forma organizada por meio da sua autogestão indígena na terra indígena raposa serra do sol com um plano de visitação. O plano piloto na comunidade ainda está em processo de aprovação e até fevereiro pretendem concluir o projeto. Turismo de base comunitária é um modo de fazer turismo com ênfase no protagonismo das comunidades e sua autogestão.

Quantos motivos você quer para turistar na Raposa I?

1- Você é recebido pelo tuxaua da comunidade que serve um pajuaru (bebida indígena fermentada da mandioca) na cuia fresquinho. É uma bela forma de dar as Boas Vindas!

IMG_20171006_173905029_BURST000_COVER_TOP
Na recepção: Tomando Pajuaru na Cuia  Foto: jôviajou

2-Toda a comunidade é bem organizada. Tem os policiais comunitários, condutores locais, enfermeiros, cozinheiras e muito mais. Cada um com sua função.

IMG_20171006_175331072
Condutores Locais. Foto: jôviajou
IMG_20171006_175245892
Polícia Comunitária. Foto: jôviajou
IMG_20171007_093841403_HDR
Aferindo a pressão antes das trilhas com a enfermeira da comunidade. Foto: Lula

3- O que comer? A comida, que pecado. Uma delícia! Na culinária tem a damurida, beiju, pimenta, farinha, arroz e uma galinha caipira dos deuses Makunaima. Tudo farto, no café, almoço e janta.

IMG_20171007_075020721_BURST000_COVER_TOP
Damurida e Beiju. Foto: jôviajou
IMG_20171007_125729982 (2)
Comida servida na panela de barro, prato de barro, o copo é a cuia. Foto: jôviajou

4- O que beber? O pajuaru* e o caxiri* (bebidas fermentadas da mandioca), pode ser de milho também. Há sucos regionais como cupuaçu.

IMG_20171006_202056265 (2)
Pajuaru servido do pote para cuia. Foto: jôviajou
IMG_20171006_202137421
Pajuaru na cuia. Foto: jôviajou

 

*Beba com moderação, são bebidas com alto nível de teor alcoólicos.

5- Onde  dorme? Para se hospedar tem a rede (leve a sua) com mosquiteiro, é só atar embaixo do tapiri, da mangueira ou levar a barraca para área de camping. Espaço não falta por lá.

IMG_20171007_074319130_HDR
Tapiri com as redes e mosquiteiros. Foto: jôviajou
IMG_20171007_091120959_HDR
Barracas na área de camping.  Foto: jôviajou

6- O que comprar? Artesanatos feitos de palhas e sementes regionais e a panela de barro makuxi é o que há pra levar. Aliás, é só isso que você deve levar além das fotos.

IMG_20171007_094340456
Artesanatos. Foto: jôviajou
IMG_20171007_120829866
Panela de barro Makuxi. Foto: jôviajou

7- O que conhecer? O Modo de produção do beiju e panela de barro makuxi é uma forma de expressão da cultura local e seu modo de subsistência.

IMG_20171007_105458536
Modo de produção do Beiju. Foto: jôviajou
IMG_20171007_115637997_HDR
Modo de produção da panela de barro makuxi. Foto: jôviajou

8- Atrativos culturais? Tem a dança parixara, a música cantada na língua makuxi com os trajes de saia da palha do buriti e pintura no rosto.  Além disso, muita lenda contada.

IMG_20171006_214331135
Dança parixara na recepção. Foto: jôviajou

Parte  da letra da música parixara em makuxi

Taua’ke Taua’ke
Ta’tarumenka
Parisara i’pî eramato’pe

(Parixara está vindo vamos nos adornar)

IMG_20171007_094158730
Pintura de rosto no preparo para a dança parixara. Foto: jôviajou

9 – Atrativos naturais? Tem sim, tem o lago da Raposa, a cachoeira da Raposa, trilhas, cavalgada turística, pôr do sol e muito mais. Ah, e nem vou falar da lua cheia que estava um espetáculo esse dia.  É só ter tempo e disposição.

IMG_20171007_154232207_HDR
Cachoeira da Raposa. Foto: jôviajou
IMG_20171007_091604355
Tem passeio à cavalo. Foto: jôviajou

10- Como chegar? No verão tem acesso com carro de passeio, mas sugiro um 4×4 e o ônibus mesmo, que é estrada que não acaba nunca. Para conhecer ou chegar lá é só ficar ligado no calendário de excursão que sempre tem. Os pacotes são vendidos com  Enoque Raposo pelo cel/whatsapp +55 (95) 99130-4045, que é o responsável pelo turismo na comunidade.

IMG_20171006_172754849_HDR
Local do receptivo da comunidade. Foto: jôviajou
IMG_20171006_174720890 (3)
Vice Tuxaua Jonata Raposo e o responsável pelo turismo Enoque Raposo. Foto: jôviajou

Quantos motivos mais você precisa para turistar na Raposa I?

O próximo pacote faz parte do evento que acontece de 9 à 11 de novembro, é o  4º Festival das Panelas de Barro ANNA KOMANTO ESERU, os pacotes já estão a venda com  Enoque e você já pode reunir a parentada pra ir.

IMG-20171013-WA0011

 

Depois de tudo isso você ainda tá em dúvidas se quer conhecer essa riqueza cultural e natural presente no nosso estado que mesmo dentro da reserva indígena, você pode visitar?

É tudo bom… você tem duas alternativas: ou fica aí reclamando que não pode visitar as belezas naturais das terras indígenas ou vai logo marcar seu próximo passeio e levar a parentada e os amigos pra ter essa experiência única.

A ideia é ajudar no desenvolvimento local, por meio do aquecimento da economia e práticas sociais e culturais que envolvam todos os membros da comunidade. E para visitar, há várias regras a serem cumpridas antes, durante e depois que sai da comunidade.

Siga:

Instagram

 

Fanpage: @joviajou

 

(Visited 86 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.